Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Alegria de Viver Cada Dia

A Alegria de Viver Cada Dia, é encontrar uma forma de lidar com as adversidades. Escrevo pela alegria em escrever sobre a realidade do quotidiano, na esperança de encontrar uma solução que nos permita esboçar um sorriso.

A Alegria de Viver Cada Dia, é encontrar uma forma de lidar com as adversidades. Escrevo pela alegria em escrever sobre a realidade do quotidiano, na esperança de encontrar uma solução que nos permita esboçar um sorriso.

A Alegria de Viver Cada Dia

28
Jul22

Os parentes e a família

Sol

Recebi o meu irmão, a minha cunhada e os meus sobrinhos cá em casa. Eles vivem fora do país e, no entanto, não sinto a distância entre nós. Estiveram aqui de sábado até quarta-feira, e fartámo-nos de conversar, de rir, de passear e de aproveitar o sol e o calor que se fez sentir. Na terça-feira, no grupo do WhatsApp que há uns tempos se criou com os primos, tios, pais e irmãos, tivemos uma pequena discórdia que se arrastou até quarta-feira - que foi o dia em que decidi intervir - sobre a presença (não só física) de alguns membros da família, isto porque uns cobram a outros sem ninguém lhes ter dado este direito.

Claro que coloquei a minha faceta mais orgulhosa e irónica porque não consigo perceber como certas e determinadas pessoas acordam de manhã e pensam "vou opinar sobre a vida dos outros, só porque sim". Gostava mais que me ligassem para pedirem o meu IBAN ou pagarem as minhas contas, mas parece que este tipo de pensamentos não lhes ocorre. Até porque, como diz o ditado, conselho, se fosse bom, não se dava, vendia-se.

Bom, com isto percebi que há uma pequena grande diferença entre o que consideramos parentes e o que consideramos família. Bem sei que se costuma dizer que a família é para sempre, no entanto acredito que esta família não é composta necessariamente pelos nossos parentes, e que nem sempre os que estão fisicamente perto de nós são aqueles que estão mais próximos. Sou daquelas pessoas que tem poucos amigos, mas sem duvida que os considero família, tanto que me conhecem melhor que muitos dos meus parentes.

Nos filmes costuma haver aqueles jantares com uma mesa cheia de primos e enteados, todos a darem gargalhadas e a servirem a ultima perna de peru, na minha mesa senta-se a família que escolhi, com alguns parentes e amigos de coração, todos a darem gargalhadas e a brindar com uma cervejinha. Estou fisicamente longe, por me ter mudado no ano passado, mas todos eles conheceram a minha nova vida, apoiaram cada passo que dei (e dou) em busca do que pretendo conquistar, e sem duvida que todos eles estão perto do meu coração. 

Pausa para limpar esta lágrima no canto do olho (obviamente por algum tipo de poeira que por aqui anda).

21
Jul22

Bagagem

Sol

No outro dia fui almoçar fora com duas colegas e, depois de jogar alguma conversa fora, e já não sei porque motivo, começámos a falar de "traumas" ou "situações" (como preferirem chamar) que trazemos connosco desde a infância. Sejam por motivos maravilhosos ou por imposições que posteriormente viraram medos ou frustrações....

Chegámos a uma conclusão engraçada, assim como os nossos pais e/ou cuidadores nos transmitiram uma data de inseguranças, frustrações - não desfazendo as alegrias e momentos felizes -, nos ensinaram a encarar a vida de uma determinada forma, e até moldaram a forma como olhamos para nós próprios/as, nós faremos o mesmo aos nossos filhos. A minha primeira reação foi pensar "credo, não quero traumatizar os meus futuros filhos", mas a minha Colega deixou-me com a seguinte questão: o que nos tornamos, independentemente de nos deixar com algumas marcas, também nos faz ser a pessoa que somos... quem nos diz que os aspetos mais negativos com que crescemos, não nos moldam a sermos pessoas melhores?! Tudo depende da forma como escolhemos encarar o que nos rodeia, não é? Podemos viver revoltados, e descarregar nos outros a bagagem que trazemos connosco, ou por outro lado, aceitar esta tal bagagem como parte do nosso passado, compreender que todas as pessoas têm a sua, e que somos o que somos graças a ela.

Apesar de tudo isto, nem sempre é fácil mantermos uma cara serena quando nos tocam na ferida, mas vale a pena o esforço para tentar que não percebam que acertaram na muche. Pelo menos eu sou assim, tento sempre manter uma cara plena e absolutamente tranquilizante.... Provavelmente não engano ninguém, mas enquanto penso em disfarçar, não penso em dar uma cabeçada a alguém, por isso o universo já agradece.

15
Jul22

Gritar ou sorrir, eis a questão

Sol

Estava eu à procura de lugar para estacionar o carro, depois de um dia duro no trabalho, uma ida ao banco e umas compras no supermercado cá para casa, e há um ser humano que decide parar o carro no meio da estrada e ficar ali. O meu primeiro pensamento é que o cérebro do ser humano tinha parado de raciocinar.... Faço marcha atrás e ele mete a mãozinha de fora e faz-se sinal para o ultrapassar... Eu (que ia de janela aberta porque está um calor infernal) disse "obrigada", mas um obrigada num tom irónico e de quem não estava minimamente grata, ao que o ser humano me responde "de nada", ainda mais ironicamente e definitivamente sem saber o dia que tive. Aiiii que nervos, que calor que me subiu ao cérebro! Ao ponto que chegámos, alguém faz asneira e ainda se sente no direito de achar que tem razão.


Pronto, já desabafei.


Amanhã se calhar cruzo-me com este condutor e ainda lhe desejo um bom dia, pode ser que isso torne o dia dele um pouco melhor. Não me admirava, tendo em conta a minha fraca capacidade de decorar rostos. É que sou mesmo péssima! Por outro lado, sou ótima a decorar números, do que é que isso me serve tendo em conta que não trabalho em nada relacionado com numerologia? provavelmente nada. Mas não posso contar só os meus defeitos, não é?!


O ambiente no trabalho tem estado uma treta, estamos numa fase de muitas mudanças em que todos os que querem mandar andam numa luta de poderes e quem sofre são aqueles que só querem uma resposta para dar continuidade ao seu trabalho e anda à mercê destas guerras do secundário. Ainda bem que a maior parte das coisas eu me esqueço, então nem chego à fase em que deito tudo cá para fora quando chego a casa, o meu namorado nem sabe a sorte que tem de ter uma namorada despassarada da vida. Mas quando lá estou, até sinto um nó na garganta. Ontem uma colega quis partilhar um texto positivo, e eu partilhei um que tinha guardado no telemóvel há algum tempo, soube mesmo bem! Estava a pensar sugerir fazermos isto de vez em quando, para tentar libertar um bocadinho o ambiente.


Basicamente tem sido isto, frustrações para encontrar lugar de estacionamento e pequenas doses de felicidade para nos ajudar a enfrentar um dia. Por outro lado, viver no Algarve no verão tem a vantagem de parecer que somos uns jovens de férias, quando na realidade a minha cara deriva de algumas preocupações e vontade de gritar com pessoas e não propriamente de um longo dia a apanhar sol.

04
Jul22

Novidades laborais

Sol

No dia 1 deste mês comecei a trabalhar, ou melhor dizendo, voltei a trabalhar. Isto porque fiquei fisicamente no mesmo espaço onde estive nos últimos 6 meses então parece que tirei umas grandes férias e agora voltei... Estou na mesma secretaria, com as mesmas colegas, ajustaram apenas um bocadinho as minhas funções. É super estranho, mas torna este início um bocadinho mais fácil, porque se evita aquele constrangimento das conversas iniciais: "Então e moras onde?", "E onde trabalhavas?", "Que carro tens?", "Bebés café?", ... 

Estou feliz por voltar ao ativo, gosto de me sentir útil e não tenho perfil para ver o tempo a passar.. Já para não falar que gosto de almoçar com companhia, e em casa a minha companhia ao almoço era a minha gatinha (não desfazendo, que eu gosto imenso da companhia dela)

 

Vou trabalhar a recibos verdes - digam lá que não é de causar inveja ahah - e vão ser só 2 meses mas, se tudo correr bem, em setembro passo para outro serviço (embora ligado à mesma empresa) para um contrato totalmente normal, isto é, por conta de outrem, com tudo direitinho e "meu", nada de substituições nem recibos verdocas. Ora, isto causa-me imensa alegria mas também muiiiita ansiedade porque depois fico a pensar que as coisas podem não correr bem... Mas por enquanto só me resta esperar o melhor e desfrutar o momento, como não podia deixar de ser. 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub